CFBio - Conselho Federal de Biologia
ÁREAS DE ATUAÇÃO SaúdePORTAL DOS BIÓLOGOSPORTAL DA SAÚDESelo CFBio de Qualidade de Cursos de Ciências BiológicasNormativas de Interesse dos BiólogosPerguntas Frequentes Universidades Públicas Links Úteis Sindicatos e Associações de BiólogosLAI

REDES SOCIAIS

Facebook Twitter Google Plus
Youtube Linkedin Instagram

TEMPO HOJE

BUSCA DE CEP

 

Correios

FCFAS defende necessidade de diálogo sobre formação de profissionais da saúde

Publicado em: 13/12/2017


Membros do Fórum dos Conselhos Federais da Área de Saúde (FCFAS), do qual o Conselho Federal de Biologia é integrante ativo, participaram de audiência pública na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (12/12), sobre o Projeto de Lei nº 5.414/16, que altera o artigo 80 da Lei de Diretrizes e Bases, proibindo o incentivo aos cursos de ensino a distância (EAD) na área de Saúde. Representantes do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), que integra o FCFAS, e o Conselho Nacional de Saúde (CNS) compuseram a mesa e alertaram para a necessidade de controle social e diálogo sobre a formação de profissionais de Saúde.

“Este não é o melhor projeto, mas lutaremos por ele”, afirmou a representante do Cofen, Dorisdaia Humerez, ressaltando que a ausência de fiscalização e de parâmetros curriculares para o EaD trazem enormes riscos à formação profissional e à Saúde Coletiva. Para o deputado Átila Lira, que presidiu a audiência, “os conselhos profissionais têm papel fundamental nesta luta por ensino de qualidade”.

O diretor da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), Luciano Sathler Guimarães, defendeu a qualidade do EaD, e sua importância para a expansão do ensino superior. A meta é que um a cada três jovens brasileiros cursem graduação até 2024. O secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior (SERES/MEC), Henrique Sartori, propôs discussão para articular as grades curriculares.

O presidente do CNS, Ronald Santos, lembrou que as orientações da Resolução CNS 515/2016 estão sendo ignoradas pelo MEC. O CNS é contrário à autorização e funcionamento de cursos de graduação em Saúde ministrado predominantemente na modalidade não-presencial e exige que disciplinas práticas e de caráter assistencial sejam presenciais.

Durante a audiência, o CNS distribuiu carta aberta contra a graduação a distância em Saúde, assinada por 50 entidades. O CNS recomendou ao Congresso Nacional a regulamentação, com urgência, do inciso II do artigo 200, e à Procuradoria-Geral da República (PGR) que proponha Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) para anular atos normativos que regulamentam a graduação por EaD em Saúde.

O Decreto 9057/2017 precariza ainda mais a fiscalização dos cursos não presenciais. Se antes os polos de apoio presenciais eram fiscalizados por amostragem, de forma insuficiente, o processo passa a ser realizado “in loco na sede da instituição de ensino”, sem necessidade de visita aos pólos presenciais. O decreto facilita a abertura de pólos, autorizando expressamente sua tercerização mediante celebração de convênios com outras pessoas jurídicas.

Habilidades e Competências

Na avaliação dos conselhos membros do FCFAS, a formação profissional na área exige habilidades teórico-práticas e relacionais que não podem ser desenvolvidas sem o contato real com o paciente, professores e equipamentos de Saúde.

“Aqui não se fala do paciente, estamos aqui discutindo o óbvio, como pode alguém se formar a distância como enfermeiros - Como você vai ensinar a distância punção?”, questionou a enfermeira Ivone Martini, coordenadora do FCFAS.

A assessora da Presidência do Conselho Federal de Farmácia (CFF) e representante da entidade no FCFAS, Zilamar Costa, e os assessores parlamentares do CFF, Lucas de Sá e Jenner Jalne de Moraes, também estiveram presentes.

Fonte: Comunicação do FCFAS, com informações do Cofen



Voltar Imprimir este artigo